Work in one of the largest groups in the RE/MAX network. Apply Now >

search news

Infosiimgroup July 2021

30 July 2021, RE/MAX Portugal

A RE/MAX, maior imobiliária a operar em Portugal, culminou o primeiro semestre do ano com um volume de preços na ordem dos 2,95 mil milhões de euros, relativos a 36.617 transações, 78,1% das quais de compra e venda de imóveis. A RE/MAX termina assim a primeira metade do ano com aumentos em todos os indicadores face ao período homólogo, registando um crescimento de 43,6% em volume de negócios e de 45% no número de transações, que faz deste o melhor segundo melhor semestre de sempre da rede e em linha com o atual cenário de recuperação do mercado.
Continuam a ser os portugueses quem contribui para o dinamismo do mercado. Os investidores nacionais foram responsáveis por 84,5% das transações da RE/MAX entre janeiro e junho, seguindo-se os Brasileiros (4,7%), Ingleses (1,1%) e os Franceses (1,1%).

Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX Portugal sublinha que “O primeiro semestre de 2021 foi marcado pelo acentuado crescimento e forte dinamismo da nossa rede, em especial no segundo trimestre, período em que a RE/MAX registou o seu melhor trimestre de sempre em transações imobiliárias, com os meses de abril, maio e junho a superarem pela primeira vez as 20 mil transações em três meses. São números bastantes significativos e que comprovam a robustez da nossa rede, que tem vindo a reforçar o seu posicionamento a nível nacional.”
Na primeira metade do ano, a RE/MAX reforçou a sua presença dominante no mercado registando um forte incremento na região do Grande Porto (64%) face ao primeiro semestre de 2020. Na mesma linha surgem as regiões Norte e Centro Norte de Portugal com 54,1% e 54%, respetivamente. Realçar ainda que todas as restantes regiões também evoluíram favoravelmente em relação ao primeiro semestre de 2020 (quadro infra), com o Alentejo, Lisboa Centro, Ilhas, Linha de Sintra e Centro Sul acima dos 40% no número de transações.

Quintas e Terrenos com acentuada procura
Os apartamentos e as moradias são os dois tipos de propriedade que a rede RE/MAX mais comercializou entre 1 de janeiro e 30 de junho, representando quase 62% e 21,4% do total, respetivamente. Os terrenos com 7,2%, as lojas com 3,4% e as quintas com 1,1% completam o top 5 de tipos de imóveis mais transacionados. Sem grandes alterações face ao semestre anterior, as tipologias mais procuradas nos apartamentos vendidos foram os T2 (45,7%), seguindo-se os T3 (31,8%), os T1 (16,5%) e os T4 (3,7%). Já nas moradias as tipologias T3 (41,5%), T2 (21,7%), T4 (20,8%) e T5 (6,8%) foram as mais negociadas no semestre.
O maior relevo vai para as quintas e terrenos, os tipos de imóveis que registaram maiores índices de crescimento em transações, sendo que as quintas registaram um acréscimo de 59% e os terrenos quase duplicaram, com um crescimento de 97% face ao período homólogo.

Distrito do Porto e de Coimbra crescem mais de metade em transações imobiliárias
No que concerne ao número de transações RE/MAX negociadas por distrito, de janeiro a junho Lisboa registou um crescimento próximo da média nacional e lidera o top 10 com um total de 14.817 transações, o que corresponde a 40,5%. Em evidência esteve o distrito do Porto que cresceu 59,4% face ao período homólogo, reforçando assim a segunda posição do ranking (14,2%). Também Coimbra (3,8%) subiu várias posições em resultado de um crescimento de 67%, estando agora na sexta posição nacional. Referência aos restantes lugares do ranking: Setúbal (10,9%), Braga (5,8%), Faro (4,2%), Leiria (3,7%), Santarém (3,6%), Aveiro (3,6%) e Évora (1,7%) – no total, os 10 distritos portugueses que representam 92% dos imóveis transacionados pela rede na primeira metade do ano.

Mais agências e novo máximo de consultores em atividade
A RE/MAX Portugal fechou o primeiro semestre de 2021 contabilizando 371 agências, mais 21 que em igual período do ano passado, o que evidencia a capilaridade cada vez mais representativa da rede no território nacional. Relativamente ao número de consultores, houve também um incremento com a imobiliária líder de mercado a registar no final de junho 9.754 profissionais.
Para a segunda metade do ano, Beatriz Rubio refere “O nosso crescimento na primeira metade do ano permite-nos prever com otimismo a evolução da marca e consequentemente dos mercados regionais onde atua. A reanimação da atividade económica, o retorno de algum do investimento internacional, as melhorias nos índices do setor do turismo e a própria evolução da segurança sanitária, contribuirão para um bom desempenho do setor imobiliário. As perspetivas são assim positivas, atendendo ao facto de estarmos a falar de um setor que se tem mostrado bastante resiliente nos períodos mais difíceis da pandemia, meses em que provou ser uma alavanca do crescimento económico nacional.”

Please note, your browser is out of date.
For a good browsing experience we recommend using the latest version of Chrome, Firefox, Safari, Opera or Internet Explorer.