Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.

Notícias

Madalena 91: A mestria de uma fachada clássica com a excelência contemporânea

30.05.2019 - Público Imobiliário

No centro da histórica área da Baixa de Lisboa, renasceu um belo e distinto exemplar da arquitetura pombalina: o Madalena 91.

O Madalena 91 é datado do século XVIII, quando Sebastião José de Carvalho e Melo - Marquês de Pombal - foi nomeado por Rei D. José I para reconstruir Lisboa depois do grande terramoto de 1755. Desde essa época, a arquitetura pombalina continua a encantar e cativar admiradores de todo o mundo.

A Baixa Pombalina é uma das áreas mais apreciadas de Lisboa. Com uma localização central que se estende entre o Rio Tejo e a Avenida da Liberdade, está repleta de maravilhas arquitetónicas e locais esteticamente encantadores, sendo considerada a mais elegante e emblemática zona de Lisboa.

Em 2018, 35% das transações da RE/MAX Collection Siimgroup em Santa Maria Maior foram realizadas por clientes de nacionalidade não portuguesa. Tendo esta zona assistido a um crescente investimento estrangeiro, o Madalena 91 é um produto com enorme potencial para quem pretende investir em alojamento local, e para clientes com interesse no regime de residentes não habituais ou golden visa.

Desenhado pelo Arquiteto João Santa-Rita, o Madalena 91 dispõe de generosas janelas que convidam à magnífica Luz de Lisboa, nobres pavimentos em madeira, tetos altos, elegantes casas de banho em pedra branca e contemporâneas, cozinhas totalmente equipadas com eletrodomésticos de luxo. Cada apartamento foi cuidadosamente pensado ao pormenor, utilizando apenas acabamentos de primeira qualidade.

As obras terão início ainda em 2019 e estima-se que a reabilitação deste empreendimento venha a estar concluída no 4º trimestre de 2021. Hoje, perante um mercado imobiliário que assiste a um crescimento significativo devido à presença de operadores internacionais, é necessário adotar uma abordagem estratégica e cada vez mais segmentada, de forma a ir de encontro às expectativas deste cliente informado e exigente.