pesquisa actualidades

Segundo confinamento com mais 18 mil casas vendidas do que no primeiro. Preço médio em máximos.

28 Abril 2021, Jornal de Negócios

No primeiro trimestre deste ano, que coincide com o segundo confinamento devido à pandemia, foram vendidas quase 50 mil casas em Portugal, o que supera em 57% os números do segundo trimestre de 2020, quando se viveu o primeiro confinamento. No primeiro trimestre deste ano, que coincidiu com o segundo confinamento, foram vendidas em Portugal continental 49.600 casas , uma subida de 57% face ao segundo trimestre do ano passado, quando o país se fechou em casa pela primeira vez devido à pandemia, indica esta quarta-feira o Confidencial Imobiliário.

Os primeiros três meses deste ano apresentam ainda um crescimento de 5% face ao último trimestre do ano passado, período em que o número de casas vendidas foi de 47.200, indica o comunicado.

O Confidencial Imobiliário assinala que o incremento nas vendas foi "transversal a todas as regiões", tendo as vendas aumentado 47% face ao primeiro confinamento na Área Metropolitana de Lisboa (AML), 46% na Área Metropolitana do Porto (AMP) e disparado 76% no Algarve.

Os dois principais mercados - as cidades de Lisboa e Porto - apresentaram aumentos de 47% entre confinamentos e de 6% face ao trimestre anterior. Na capital foram vendidas 3.820 casas e na Invicta 2.250 habitações. Já na AML o incremento foi igualmente de 47%, para 17.150 fogos, enquanto na AMP cifrou-se em 46%, para 8.120. No Algarve, o aumento de 76% corresponde a 3.900 casas vendidas.

Preços avançam para máximos

A nível do preço médio de venda das casas no Continente, o valor atingiu os 1.715 euros por metro quadrado (m2), o valor mais elevado de toda a série histórica de dados. Na AML os valores atingiram 2.232 euros/m2, seguindo-se o Algarve, com 1.836 euros/m2 e a AMP, com um preço de 1.601 euros/m2. A cidade de Lisboa registou um preço médio de 3.656 euros/m2 acima dos 2.318 euros/m2 do Porto.

O Confidencial Imobiliário assinala que a subida nos preços a nível nacional "reflete de forma mais próxima o comportamento no segmento de fogos usados, já que no de fogos novos os preços situaram-se em torno dos 2.600 euros por metro quadrado.

A quebra nos preços médios das casas novas decorre da "queda no número de transações de fogos novos registada nos mercados mais valorizados, designadamente nas cidades de Lisboa e Cascais, aos quais se junta o Algarve, geografias onde a atividade teve uma retração trimestral de mais de 20%".

Mas, ressalva o documento, a queda nas vendas de fogos novos "não tem sido sinónimo de descida nos preços". E exemplifica com os valores das casas novas em Lisboa, onde os preços médios se situaram em 5.707 euros/m2, "em linha com a média de 5.789 euros/m2 observada em 2020".

Atenção, o seu browser está desactualizado.
Para ter uma boa experiência de navegação recomendamos que utilize uma versão actualizada do Chrome, Firefox, Safari, Opera ou Internet Explorer.